História

historia_mv

Clube Mundo Velho

O Clube Mundo Velho de Sabará é uma das sociedades recreativas mais antigas do Brasil. Fundado no dia 02 de março de 1894, por ex-escravos e seus descendentes, o clube nasceu da demanda por espaços de socialização e recreação para a população negra, historicamente excluída dos espaços tradicionais da cidade, estando intimamente ligado a manifestações de cunho popular como as congadas e a folia-de-reis. Seu nome tem origens ligadas ao período imperial brasileiro, sendo uma alusão à monarquia portuguesa, oriunda do velho continente ou Mundo Velho.
O primeiro Presidente do clube foi o Sr. José de Paula Pertence.
Antes da aquisição de uma sede própria foi utilizado um coreto construído onde atualmente esta a Praça Getúlio Vargas. O coreto tinha dois andares, com uma parte térrea e outra acima. A parte térrea era usada como barbearia, à parte superior deste coreto servia para encontros e manifestações típicas da música dos negros, era o local de socialização e fortalecimento das relações pessoais.
Da barbearia, junto com outras fontes tais como venda de comestíveis, tais como doces de onde saíram os subsídios financeiros, os recursos para aquisição do local para uma sede própria.
Nos anos 20, seus bailes e reuniões eram realizados em uma casa ao lado da Cia. da Polícia Militar. Nos anos 30 mudou-se para onde até a presente data continua sendo a sede da Instituição, passando por aquisições de áreas vizinhas e expandindo-se.
O Clube Mundo Velho firmou-se como espaço popular onde operários, trabalhadores domésticos, ferroviários e trabalhadores informais reuniam-se em eventos de significativa importância para a história da cidade.
Do pioneiro clube recreativo originou-se, nas primeiras décadas do século XX, o bloco carnavalesco Mundo Velho, a mais antiga agremiação do gênero existente no Estado de Minas Gerais, similar às que deram origem às primeiras escolas de samba do Brasil. Nos primeiros desfiles, como em outros grupos da época, o Mundo Velho escolhia as ruas e as casas, no seu trajeto, que seriam palco das suas manifestações festivas e brincadeiras.
Atualmente, o grupo é um dos últimos a possuir elementos estruturais originais de um bloco carnavalesco, sendo eles: o hino, o estandarte, a banda de jazz (com instrumentos tradicionais de sopro e percussão) e os afrodescendentes como base da sua diretoria.
Além do carnaval, vale destacar outras festividades e eventos tradicionais do clube: Bailes do Aniversário, Junino, da Primavera, e da Saudade; Domingo do Bolero. O Baile da Maturidade realizado sempre na segunda sexta-feira de cada mês, com participação dos grupos de convivência (3ª idade), promovendo a integração com pessoas de todas as idades.
Buscando melhores formas para administrar e captar recursos à diretoria do clube aprovou, em 28 de setembro de 2005, alterações no estatuto convertendo o Clube Mundo Velho em Instituto, mantendo inalterados o hino, o brasão e o nome da instituição.
Considerado até o momento a segunda entidade social de afrodescendentes mais antiga do país, representa Minas Gerais junto às demais organizações congêneres e junto a órgãos do Governo Federal (Fundação Palmares, SEPPIR – Secretaria Especial de Promoção da Igualdade Racial), tendo participado ativamente do I Encontro Nacional de Clubes e Sociedades Negras, realizado em novembro de 2006 no Rio Grande do Sul e sediando o II Encontro Nacional dos Clubes Sociais Negros em janeiro/10 e o  I Encontro Estadual em fevereiro/10.
O clube também fomenta discussões sobre temas ligados a cultura, tolerância, cidadania e ética, dentre outros.